Segunda-feira, 29 de Maio de 2006

Varandas e marquises

Inspirada num brilhante artigo, publicado em 16 de Maio deste ano, por Eu  no blog http://claronoescuro.blogspot.com/ , com o título À CONQUISTA DA VARANDA,  venho pôr à vossa consideração o problema das varandas transformadas em marquises. Se não se trata duma absoluta falta de espaço, acham que vale a pena alterar a arquitectura dum prédio, transformando-o numa verdadeira "caixa"?. Vejam os exemplos abaixo e  dêm a vossa opinião.

Que tesouros foi preciso esconder neste andar em ruinas?

 Que tal viver numa prisão?

Duas famílias diferentes: uma extrovertida, outra misteriosa...

Uma das poucas varandas que não se transformou em marquise...

Qual dos modelos preferem?

publicado por soaresesilva às 21:58

link do post | comentar | ver comentários (25) | favorito
|
Quinta-feira, 25 de Maio de 2006

Libertação

Negro, escuridão;

Cinza, dor;

Vermelho, sangue

Branco, luz;

O traço de uma figura

que se liberta

voando para um mundo de claridade!

 

(acrilico sobre tela, pintado numa longa e triste noite)

publicado por jo às 23:58

link do post | comentar | ver comentários (30) | favorito
|
Segunda-feira, 22 de Maio de 2006

A UM AMIGO QUE PARTIU

Deixaste aberto o piano
Desde a tarde longinqua em que o tocaste
E as doces valsas de Chopin
Se espalharam pela casa.
Deixaste aberto o teu livro
Desde a tarde longinqua em que o escolheste
E as sábias palavras desse mestre
Se espalharam pela casa.
Deixaste aberta a rosa no jardim
Desde a tarde longinqua em que a regaste
E o seu perfume se espalhou pela casa
De janelas escancaradas.
 
O teu cão sentado junto à porta
E o mar batendo lá em baixo
Esperam ainda

Luisa, Lisboa 22 MAI 2006
publicado por soaresesilva às 17:16

link do post | comentar | ver comentários (27) | favorito
|
Quinta-feira, 18 de Maio de 2006

MUDANÇAS DO CLIMA

Dizem os cientistas que o clima está a mudar

Os icebergues estão a desprender-se

As neves eternas a derreter

Os desertos a avançar

Os mares a subir

Sem instrumentos,sem medições, sem estudos, posso comprovar que o clima está, de facto, a mudar:

A minha azálea que ,desde há três anos floresce em Fevereiro, este ano só deu flores em Maio!

publicado por soaresesilva às 19:16

link do post | comentar | ver comentários (31) | favorito
|
Terça-feira, 16 de Maio de 2006

Estado de Alma

Do meu rosto molhado

escorre pranto ou água?

Mágoa nascida na fonte

ou fonte nascida na mágoa?

 

Do meu rosto molhado

escorre água e pranto:

o desencanto da fonte

e a mágoa do desencanto.

Disse-o  a grande poeta Natália Correia, portanto quando as palavras já foram escritas para quê inventá-las?

publicado por jo às 19:33

link do post | comentar | ver comentários (17) | favorito
|
Domingo, 14 de Maio de 2006

SEM ABRIGO

 

 

Eles fazem parte de todos os bairros

das grandes cidades,

não sei se só por condições

socio-económicas,

se, a maior parte das vezes,

não será

por filosofia de vida.

Os animais são os seus melhores amigos,

o céu é o seu tecto,

uns cartões e uns farrapos são a sua cama,

a rua é a sua casa.

Alguns têm uma figura poética,

despidos de todos os bens materiais,

vivem indiferentes a tudo e a todos.

Contudo, sinto, que embora nos pareçam figuras patéticas

eles mantêm a sua dignidade,

coisa que ,outros, bem instalados na sua

vida pequeno burguesa,

HÁ MUITO PERDERAM!

 

 

 

publicado por jo às 14:56

link do post | comentar | ver comentários (17) | favorito
|
Quinta-feira, 11 de Maio de 2006

DOCE DE VINHO

Recebi hoje um delicioso presente

Uma tijela de doce de vinho!

Na minha terra, zona vinícula, todas as donas de casa faziam doce de vinho a seguir às vindimas. Colaborava toda a Família.

Num tacho enorme

deitava-se o mosto do vinho e peros descascados. Acendia-se uma fogueira no quintal e a mistura ficava a ferver durante horas e horas até se conseguir a consistência desejada.

Guardava-se em pequenas tijelas de loiça e comia-se, a barrar o pão, durante todo o inverno.

Há que anos que eu não provava este doce de que tinha tantas saudades! 

publicado por soaresesilva às 18:22

link do post | comentar | ver comentários (32) | favorito
|
Terça-feira, 9 de Maio de 2006

O TEMPO


tela de Salvador Dali


FADO DAS HORAS

Chorava por te não ver
Por te ver eu choro agora
Mas choro só por querer
Querer ver-te a toda a hora


Passa o tempo de corrida
Quando falas e eu te escuto
Nas horas da nossa vida
Cada hora é um minuto


Quando estás ao pé de mim
Sinto-me dona do mundo
Mas o tempo é tão ruim
Tem cada hora um segundo

 

Deixa-te estar a meu lado
E não mais te vás embora
Para meu coração coitado
Viver na vida uma hora

Música de António de Bragança
Letra de Maria Teresa de Noronha

 

 

 

publicado por soaresesilva às 15:04

link do post | comentar | ver comentários (19) | favorito
|
Domingo, 7 de Maio de 2006

DIA DA MÃE

Mãe e filho - Gustav Klimt 

 

HOMENAGEM

A todas as Mães e a todas as Mulheres que quiseram ser Mães e não puderam 

publicado por soaresesilva às 00:20

link do post | comentar | ver comentários (27) | favorito
|
Quinta-feira, 4 de Maio de 2006

A MORTE DE OPHELIA


A morte de Ophelia - Quadro de Eugène Delacroix

Inclinado à beira dum regato, ergue-se um salgueiro que reflecte a sua folhagem prateada nas ondas cristalinas. Ali se dirigiu, enfeitada com fantásticas grinaldas de rainúnculos, ortigas, margaridas e essas grandes flores púrpura às quais os nossos pastores dão um nome grosseiro, mas as nossas castas donzelas chamam dedos de defunto. Trepava pelos ramos para colocar aí a sua coroa silvestre, quando um pérfido galho se quebrou e, juntamente com os seus troféus bravios, veio a cair no regato murmurante. À sua volta espalharam-se as suas roupas que, como a uma ninfa a mantiveram a flutuar durante breves instantes. Entretanto cantava estrofes de cantigas antigas, como que inconsciente da sua própria desgraça, ou como uma criatura dotada pela natureza para viver naquele elemento.

Shakespeare - Hamlet

publicado por soaresesilva às 01:12

link do post | comentar | ver comentários (19) | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Junho 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. Alenquer

. INVERNO

. Feliz Ano Novo

. ANIVERSÁRIO

. Cinismos de Verão

. NEVOEIROS DE SÃO PEDRO DE...

. COMPENSAÇÃO PERANTE A CRI...

. Homenagem a Rafael Bordal...

. CAPARICA

. Páscoa Feliz

.arquivos

. Junho 2013

. Janeiro 2012

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

.links

.A última rosa

----
 
 

.Ecosdotempo



blogs SAPO

.subscrever feeds