Terça-feira, 28 de Novembro de 2006

OUTONO


Rosa Branca pero Negra
Patrícia Quintana-Pinto

 

Como é que a roseira foi envelhecendo,
Se não era ainda para não dar flor?
Se não era ainda
Para estar perdendo
Toda a cor
De linda?
 
Mas seus botões murcham que é um disparate
Vê-los, sem abrirem, como a amortalhá-la,
 
E o sol, que a vestia
Toda de escarlate,
Vem achá-la
Fria...
 
Jovem jardineiro, por que é que a roseira
Já te não dá rosas para a botoeira?
 
Ai, já não dá rosas, já não tem frescura,
Já lhe passam Maio mais Abril distantes...
Mas suas raízes mesmo assim cresciam:
Vão a mor fundura
Do que dantes
Iam.

José Régio - Cancioneiro de João Bensaúde


publicado por soaresesilva às 17:09

link do post | comentar | favorito
|
23 comentários:
De jo a 28 de Novembro de 2006 às 19:37
A roseira, como todos nós, cumprimos o nosso ciclo de vida, mas mesmo, às vezes, já murchas os encantos continuam.
De conchitamachado a 28 de Novembro de 2006 às 21:47
Rosa Branca pero Negra
Patrícia Quintana-Pinto

Lindíssima esta Rosa e Poema !...
"Mas suas raízes mesmo assim
cresciam:" ...
- E, outras rosas abrirão...

Suas visitas sempre Bem-Vindas, Jo
Linda semana
Beijinho*
De Praia da Claridade a 28 de Novembro de 2006 às 21:50
Muitas raizes ainda nos ligam ao mundo, à nossa família, aos nossos amigos !...
Saibamos aproveitá-las para viver com a alegria que nos for possível, e recolher da melhor maneira as pétalas que ainda nos mantêm ligados a este mundo, por vezes tão cruel, mas que ainda merece um sorriso, nem que seja com uma lágrima escondida...
De Juda a 28 de Novembro de 2006 às 22:41
Olá, boas palavras... boa musica, um abraço...
De Jorge G a 28 de Novembro de 2006 às 23:03
Não conhecia este poema.
Mas Régio, sim. Foi um dos maiores vultos da nossa literatura do séc.XX
Romancista, poeta, dramaturgo, ensaista ( deixou estudos sobre Camões e Florbela Espanca, por exemplo) e fez mesmo incursões nas artes plásticas, chegando a ilustrar alguns dos seus "Poemas de Deus e do Diabo" para a revista Presença.
Neste poema, Régio deixa-nos o sentido do primado da sabedoria sobre a beleza. O fortalecer das raízes, enquanto se extingue o tempo do brilho exterior e efémero da beleza.

Régio terá sempre lugar cimeiro na Literatura portuguesa.
De Maria a 29 de Novembro de 2006 às 17:43
Lindo este poema das rosas! Que profundo que belo! Beijinho.
De badala a 29 de Novembro de 2006 às 18:44
Que lindo o poema.
De João a 29 de Novembro de 2006 às 19:44
Faz-me lembrar uma velha roseira que ainda perdura no quintal da minha memória, roseira essa que se hoje ainda fosse viva teria mais de 40 anos. Lembro-me que mesmo já velhinha, dava sempre rosas grande, vermelhas e bem cheirosas. Em pequeno também lhe retirei muitos botões que deitava no riacho e ficava a contemplar até desaparecerem ao longe. De José Régio conheço algumas obras, como O filho do Homem e Há mais mundos, mas esta poesia não conhecia. Bjs.
De Zalinha a 29 de Novembro de 2006 às 21:16
Tudo na vida tem sua beleza e seu tempo,a roseira tb o tem,mas aida que murcha e seca não lhe é retirada a beleza que tem.Bjs e bom resto de semana:)
De era uma vez um girassol a 29 de Novembro de 2006 às 23:07
Não conhecia este poema de José Régio.
Há rosas e apesar dos anos passarem mantêm ainda a frescura e a vitalidade!
Beijinhos
De unicus a 1 de Dezembro de 2006 às 12:00
Escolheste um dos grandes vultos da poesia portuguesa.
Bjs

Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Junho 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. Alenquer

. INVERNO

. Feliz Ano Novo

. ANIVERSÁRIO

. Cinismos de Verão

. NEVOEIROS DE SÃO PEDRO DE...

. COMPENSAÇÃO PERANTE A CRI...

. Homenagem a Rafael Bordal...

. CAPARICA

. Páscoa Feliz

.arquivos

. Junho 2013

. Janeiro 2012

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

.links

.A última rosa

----
 
 

.Ecosdotempo



blogs SAPO

.subscrever feeds